Permanência de consulares: há seis anos, projeto ajuda comunidades portuguesas no Espírito Santo

O Baile do Nêgo Véio e WS Sunset na Área Verde do Álvares
2 de agosto de 2019

Permanência de consulares: há seis anos, projeto ajuda comunidades portuguesas no Espírito Santo

Clube Álvares Cabral é parceiro do Consulado Português no projeto e pretende ampliar as ações.
Atender aos interesses e as necessidades das Comunidades Portuguesas inseridas no Espírito Santo.  Esse é o principal objetivo de um importante projeto existente há cerca de seis anos no Estado. Chamado “Permanências Consulares”,  surgiu junto com o aumento da demanda pela procura de serviços no Consulado Português, localizado no Rio de Janeiro.
Os atendimentos foram regionalizados. Acontecem há cinco anos num espaço disponibilizado pelo Clube de Regatas Álvares Cabral, em Vitória. Uma parceria de sucesso, que veio contribuir para a agilidade, conforto e segurança dos portugueses e descendentes situados em Terras capixabas. Principalmente de crianças e idosos. Isso, porque já não precisam mais se deslocar ao Consulado Geral, no estado carioca.
O projeto conta com um calendário anual: são quatro visitas que acontecem durante três dias na capital nos meses de março, junho, setembro e dezembro. Os atendimentos tem horário marcado: das 08h30 às 19h00, e dependendo do número de pessoas, passa das 20h00.
Segundo o José João Gomes, Cônsul Honorário de Portugal, o número de atendimentos tem crescido gradualmente. Para se ter uma ideia, apenas nas duas primeiras visitas realizadas em 2019, foram realizados cerca de 400. Segundo Gomes, o apoio do Clube tem sido muito importante. O espaço físico disponibilizado, bem como equipamentos e recursos técnicos proporcionam uma excelente prestação de serviço para quem busca o projeto.
Para Fernando Bissoli, presidente do Clube Álvares Cabral, a parceria com o Consulado só tem trazido bons frutos. Além do serviço prestado e da chegada de novos sócios descendentes de portugueses, a ação tem também um importante papel no resgate cultural e histórico. Bissoli ressalta que o Clube é também uma parte do país responsável pela colonização do Brasil. “Queremos continuar e, inclusive, ampliar  o nosso compromisso com o Consulado Português. Afinal, o Clube fundado há 117 anos por portugueses representa fielmente, até hoje, as tradições de toda uma nação”.
A ideia desse projeto é do Ministério dos Negócios Estrangeiros, administrado pela Secretaria das Comunidades Portuguesas, operacionalizado pelos Consulados Gerais e apoiados pelos Consulados Honorários que recebem ainda o apoio das instituições nas quais estão inseridos.